sábado, 7 de abril de 2012

Trasfega manual e por gravidade - soutirage manuel et par gravité

Como tinha explicado em post anteriores, tenho trabalhado os vinhos sem grandes equipamentos, utilizando a força dos braços e a gravidade.

Foi mais uma vez o caso na ultima trasfega que fiz aos vinhos de 2010, no inicio de Março.

A trasfega é o que costumam chamar de "passargem a limpo do vinho".
O vinho com o tempo vai acumulando as borras no fundo da vazilha. Periodicamente é assim necessario separar o vinho "limpo" das borras que se acumularam no fundo da vazilha.
Isso permite que o vinho clarifique, fique mais limpido, e ganhe uma estabilidade micribilogica, ja que as borras contêm leveduras mortas e bacterias.

Neste caso tinha 5 barricas a passar a limpo.
Como sempre a primeira coisa que fiz foi ir encher garrafões de agua de furo, agua limpa, sem chloro, que me permite assim limpar os pipos depois de ter retirado o vinho e antes de o voltar a la por.


E importante que seja agua de furo, porque a agua da rede contem chloro, precursor aromatico do cheiro a rolha, defeito a evitar.

Enchi assim vinte e tal garrafões para ter 4 garrafões por barrica e mais alguns de sobras.


Depois cada barrica é tratada da mesma forma.
Inicia-se o processo, ata-se uma mangueira a um pau, deixando-se um espaço e introduz-se no pipo. Quando o pau bate no fundo, a mangueira com o espaço deixado fica por cima das borras, o que permite so retirar a parte limpa.


Do outro lado da mangueira, cria-se um depressão, aspirando com a boca.
Assim que pegou larga-se logo a mangueira para não ficarmos aflitos com o fluxo do vinho nos pulmões...


O vinho cai então numa pequena vazilha, sem ser puxado por bombas, apenas por gravidade, o que para o vinho é muito mais suave, pois a bomba é pratico mas tem o inconvenientes de violentar um pouco o vinho.


Aproveita-se então para adicionar o sulfuroso necessario a correcção que se deseja realizar.
Como ja tinha explicado, ja tinha medido o sulfuroso livre de cada barrica no dia anterior, por isso ja sabia o que tinha de deitar em cada caso, sempre com o objectivo de não abusar do sulfuroso, para o bem do vinho e da sua expressão, mas tambem para o bem do consumidor.

Quando para o fluxo de vinho e que ja so restam as borras no fundo da barrica, usam-se os braços para mover a barrica e depois evacuar as borras pelo batoque.

Depois deita-se agua dentro da barrica e lava-se por dentro, movimentando a barrica durante alguns minutos de um lado para o outro. Envajei-se depois a barrica e repete-se a operação até sair agua limpa.


Deixa-se então a barrica a esgotar.

O vinho volta-se depois a por dentro da barrica, neste caso mais uma vez sem bombas, com cantaros, a força dos braços.

Trabalho pesado e longo, mas respeituoso do vinho.

Como retiramos as borras e que temos de atestar a barrica para o vinho não oxidar, temos de utilizar as sobras que temos, neste caso em garrafões.
A solução garrafão não é optimal mas é a que tenho. No futuro a ver se consigo uma cuba "sempre cheia", daria muito jeito e sobretudo segurança.



Para passar a limpo 5 barricas foi assim preciso um dia de trabalho a duas pessoas.
Ambos chegamos ao fim do dia estafados, mas conscientes da qualidade do trabalho realizado.

E caso para dizer que se trata de vinho feito a mão, "hand made" ou de "alta costura" para usar termos um pouco mais pedantes.

Em maio sera a vez de passar a limpo os vinhos de 2011.

2 comentários:

  1. Parabéns António pelo excelente trabalho e o relato muito interessante. Comecei quase assim em 1994.....
    Abraço Peter

    ResponderEliminar
  2. Viva Peter!
    Muito obrigado pelo seu comentario, fico contente por ter gostado.
    Quando se tem um sonho temos de lutar por ele, você a esse respeito é um excelente exemplo.
    Olhe, ainda no ultimo fim de semana abri um Qta das Marias TN 2007, teve muito sucesso entre os convivas.
    Abraço
    Antonio

    ResponderEliminar