quinta-feira, 4 de junho de 2015

Preservar o Dão de outrora

Hoje partilho convosco uns videos onde o meu sogro explica o trabalho que realizamos este inverno a nivel de plantação de bacelos bravos nas falhas de duas vinhas que cultivo. Vinhas cujos 90 anos permitem ilustrar o que era o Dão de outrora.

video

Trabalho que tera a proxima etapa este verão com escolha das varas que servirão a enxertia no proximo ano.

video

A ideia é plantar com varas da propria vinha, de maneira a manter a diversidade genetica que resistiu ao tempo e preservar a identidade de cada uma das duas vinhas em que realizamos este trabalho.

E, a minha escala, um investimento importante e que espero trara frutos no futuro.

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Ficha técnica - Dão Serra da Estrela 2013 (Branco/White) - Antonio Madeira



PRODUCÃO    
600 garrafas 

INFORMACÃO TECNICA
ALCOOL (%)    13,2
PH    3.36
ACIDEZ TOTAL (G/DM3)    5.86
ACIDEZ VOLATIL (G/DM3)    0.39

REGIÃO    
Dão (Portugal), sub-região Serra da Estrela

PRODUTOR
Antonio Madeira

VINHA
Uvas provenientes de 5 vinhas velhas de 50 a 120 anos, cultivadas com respeito pelas plantas, pela vida dos solos e meio ambiente.
Tipo de solo : variações de solos graniticos
Altitude do mar : 500 a 600 m
Exposições variadas de Sul a Sul/Oeste.

CASTAS    
Field blend de mais de 20 castas autoctones em vias de extinção.
Base a 75% de Siria, Fernão Pires e Bical.

VITICULTURA
Viticultura de precisão
Não utilização de herbicidas, preservação da vida dos solos
Trabalho dos solos a cavalo e enxada
Poda Guyot (tradicional nas vinhas velhas do Dão Serrano)
Produção : 25 HL/ha


O ANO DE 2013
A Serra da Estrela, sub-região do Dão, conheceu um ano de 2013 que permitiu uma maturação boa e longa as uvas.

VINDIMA     
Vindima manual em caixas, com seleção das uvas na vinha que permitiu apanhar as melhores uvas brancas no dia 18 de Setembro 2013.

VINIFICACAO
Metodos naturais focados na expressão da terra e do ano climatico.
Prensagem seguida de decantação por gravidade durante 3 dias, com controlo de temperatura a 15°C,  sem adição de enzimas ou de produtos enologicos, a não ser o SO2.
Aproveitaram-se as borras boas para a fermentação iniciada espontaneamente pelas leveduras indigenas. 
Fermentação alcoolica em inox e que durou até Junho de 2014.

ESTAGIO    
Estagio em inox até a inicio de 2015.
Engarrafado em Fevereiro de 2015 apos colagem e filtragem ligeiras.

NOTA DE PROVA
Vinho de terroir, empenhado em mostrar as belezas do Dão do sopé da Serra da Estrela.
Profundo, muito caracter, granito, fruta pura e notas florais trazidas em particular pela Fernão Pires e pela Siria. A casta Bical e uma mistura de 20 castas completam um lote onde a mineralidade amplifica a a complexidade do vinho.
Fresco, cristalino, elegante e encorpado, boca a pedir mais um copo.
Na boca lembra pedras de granito a rolarem num ribeiro de fruta fresca.
Feito para a mesa, combina lindamente com peixes, deixando um longo final granitico.

SUGESTÃO DE ACOMPANHAMENTO    
Peixes e pratos de carnes brancas.

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Feliz aniversario Ti Bicadas!

O meu avo e padrinho era conhecido na aldeia pela alcunha de Ti Zé Bicadas.
Ja vos tinha falado dele aqui :
http://vinhotibicadas.blogspot.fr/2011/12/porque-o-nome-de-palheira-do-ti-ze.html

Se  estivesse vivo, festejaria hoje 87 anos.


Na festa, não faltaria vinho e queijo da Serra!

Ele que viveu da terra e dos animais, ele que so conheceu como meio de transporte a sua carroça puxada pela sua burra, seguramente que se ainda ca estivesse, teria um sorriso nos labios, orgulhoso pelo caminho percorrido.

Até sempre!

sábado, 9 de maio de 2015

Ficha técnica - Dão Serra da Estrela 2012 (tinto/red) - Antonio Madeira



PRODUCÃO    
3 500 garrafas (26 HL/ha)

INFORMACÃO TECNICA
ALCOOL (%)    12.7
PH    3.57
ACIDEZ TOTAL (G/DM3)    5.52
ACIDEZ VOLATIL (G/DM3)    0.56
SO2 livre (MG/L)   22
SO2 total (MG/L)   58

REGIÃO    
Dão (Portugal), sub-região Serra da Estrela

PRODUTOR
Antonio Madeira

VINHA
Vinha velha com 50 anos, salva do abandono no Sopé da Serra da Estrela
Tipo de solo : granito
Altitude do mar : 450 m
Exposição Sul

CASTAS    
Field blend de mais de 20 castas autoctones em vias de extinção.
Base de Tinta Pinheira, Negro Mouro, Tinta Amarela e Baga.  

VITICULTURA
Viticultura de precisão
Não utilização de herbicidas, preservação da vida dos solos
Trabalho dos solos a cavalo e enxada
Poda Guyot (tradicional nas vinhas velhas do Dão Serrano)
Produção : 26 HL/ha

O ANO DE 2012
A Serra da Estrela, sub-região do Dão, conheceu um ano de 2012 bastante tardio, marcado por um inverno e primavera muito secos (o ano mais seco dos ultimos 80 anos). Frio e alguma chuva em Setembro vieram ainda mais atrasar o ciclo vegetativo. Tornou-se por isso um ano complicado para o viticultor. 
Foi necessario muito trabalho, viticultura de orfevraria para conseguir obter uvas perfeitas e maduras em condições tão adversas.

VINDIMA     
Vindima manual em caixas, em duas vezes, com escolha dos cachos maduros e sãos, em fim de Setembro e duas semanas depois em Outubro 2012.

VINIFICACAO
Metodos naturais focados na expressão da terra e do ano climatico.
Fermentação natural com as leveduras indigenas, em dornas abertas.
Nenhuma utilização de produtos enologicos a não ser o sulfuroso.
Regulação da temperatura com sacos de gelo.
Procurou-se pouca extracção, trabalhando-se por « infusão » na procura da elegância e finesse caracteristica da região.

ESTAGIO    
Depois de prensado, o vinho passou directamente para barricas usadas de carvalho francês, onde realizou a fermentação maloláctica até a primavera seguinte e estagiou durante 16 meses.
O engarrafamento foi efectuado em Julho de 2014.

NOTAS DE PROVA
Cor relativamente aberta.
Nariz puro, complexo e sem artificios, granito envolto de fruta vermelha fresca, sensações de ervas aromaticas, flores e pinhal.
Boca tensa, pura, saborosa, estruturada, fluida e cristalina. 
Final mineral muito longo, lembrando iodo quando acompanha bacalhau.

SUGESTÃO DE ACOMPANHAMENTO    
Bacalhau, cabrito, carne branca, arroz de pato

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Partilhar a mudança

Incentivar a mudança nas praticas culturais, inovar na viticultura de precisão, entender a agricultura como uma ciencia complexa onde muitos factores naturais interagem, preservar e estimular a vida nos solos, constatar os resultados nos vinhos, estes têm sido objectivos que tenho perseguido neste projecto.

Arrancou o sexto ciclo vegetativo desde que esta aventura começou.
Passaram anos que permetiram crescer, enquanto produtor e como pessoa.
Dificuldades e sucessos e muito trabalho têm marcado o caminho.
Aprendi muito e gosto de partilhar esta aprendizagem com os outros, contribuir para a reflexão de cada um que esteja aberto.


Recentemente tive a oportunidade de falar com dois pequenos viticultores la da aldeia. Contaram-me que tinham escavado as suas vinhas, deixando a partir de agora de usar herbicida. Fiquei mesmo contente. Sei que contribui para isso, o que me orgulha muito. Alem de isso facilitar a expressão do terroir no vinho, vai tambem resultar num vinho mais são para a saude de quem o beber.

Talvez isto pegue la aldeia, quem sabe?
Ainda la ha dezenas de pessoas que produzem o seu vinho caseiro, o vinho das suas proprias refeições. Para quê consumir vinho que contem residuos de herbicidas? A saude das pessoas merece melhor.

Qualquer dia, se conseguir ir para la viver da viticultura, talvez possa ajudar as pessoas a fazer o seu vinho caseiro, ajuda-las a obter um vinho alimentar mais são. Teria prazer nisso. São muito bons esses momentos de partilha!


quarta-feira, 22 de abril de 2015

Irmãs e diferentes

A poucos metros da vinha do granito rosa, um pouco mais a baixo na mesma encosta encontra-se esta vinha que cultivo a mais tempo.



Vinha que recuperei e estrumei no ano anterior com galinhaço curtido.


Nota-se muito mais vida nos solos


Muita verdura, vegetais, flores, insectos




Muita vida que vai ajudar a saude das cêpas


Esta vinha recuperou muito desde que tomei conta dela ha 3 anos.


Lembro-me que na altura as varas estavam muito fracas


Agora estão bem boas, houve uma grande evolução


As plantas estão agora melhor preparadas para darem o que podem e sabem


Videiras com 50 anos plantadas em encosta


Ao longo da descida, notamos a variação do solo




A parte de cima mais rica e vigorosa


Depois no meio começa a aparecer mais rocha



e menos vegetação, embora sempre presente


Na parte de baixo, cada vez mais calhau grosso





Neste inicio de Abril, as videiras despertavam depois do sono invernal


A seiva volta para cima


Os futuros cachos começãm a aparecer



Ai esta um novo ciclo


Com ele as suas dores de cabeça, mas tambem a alegria e esperança de uma boa colheita


Veremos como correra 2015 depois dos exigentes anos anteriores



Faremos a nossa parte, venha o resto!

sábado, 18 de abril de 2015

A vinha do granito rosa em Abril 2015

Partilho convosco algumas fotos da vinha do granito rosa.
Fotos deste inicio de Abril 2015, que testemunham do estado inicial do novo ciclo vegetativo.
E uma das vinhas que ja cultivei em 2014 e segui em 2013.

um conjunto de bailarinas preparadas para o cabaret 2015

No palco singular de granito cor de rosa

a despertar
Mistura complexa de granitos de varias variedades, inclusive cor de rosa, singularidade deste local

sempre com oliveiras e arvores por perto
parte centenaria
parte de cima com 50 anos

um declive interessante
Pink & blue
variações de granito

o inicio de um novo ciclo


vinha escavada
terroir de granito que marca o vinho
Videira com boa vara que espero dara vinho com caracter e de beber aos copos!

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Artigos recentes na net .pt

Hoje partilho convosco mais dois artigos recentes sobre os vinhos desta palheira.

Artigo sobre o adegga winemarket que decorreu no Porto no ultimo sabado e que destaca os meus vinhos :
http://www.flavorsandsenses.com/misc/eventos/adegga-winemarket-porto-2015

Artigo no blog "Pingas no Copo" :
http://pingasnocopo.blogspot.fr/2015/04/as-vinhas-e-os-vinhos-de-antonio-madeira.html

Boas leituras!

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Adegga Winemarket Porto 2015

Amanhã, sabado 11 de Abril a tarde, vou participar pela primeira vez num adegga winemarket.


Sera no Porto, mais concretamente no Porto Palácio Hotel - Av. da Boavista 1269, 4100-130 Porto


Espero encontrar alguns de vocês por la!

sábado, 4 de abril de 2015

A trasfega dos tintos de 2014

Na primeira semana de Março, aproveitei estar no Dão para "passar a limpo" as barricas dos tintos de 2014.

Esta operação, tambem chamada "trasfega", permite separar o vinho "limpo" das borras que se acumularam no fundo das barricas ao longos dos meses desde Outubro. Na altura tinha sido efectuada uma primeira passagem a limpo, depois de os vinhos estarem umas semanas em cubas inox e repousar depois da prensagem.

Esta nova passagem a limpo ocorre depois de a fermentação malolactica ter terminado.
Durante a malolactica, o vinho liberta gaz, CO2.
Esse gaz dissolve-se no vinho, mantendo particulas em suspensão.
Depois da "malo" terminada, essas particulas vão descer ao longo do tempo para o fundo das barricas, sob a influência da força da gravidade. Cria-se assim um deposito no fundo, as tais chamadas "borras".

Para me ajudar nesta operação pude contar com os meus familiares e o Luis, que desempenhou o papel de chefe de orquestra. E com grande mestria!
Foram todos de uma grande ajuda!

A passagem a limpo é uma operação em que estamos ao contacto do vinho. E uma experiência para mim emocionante, Os depositos abertos, com o vinho a circular e nos em cima dele, sentimos os aromas a ocuparem a atmosfera, estamos então como numa nuvem aromatica.
Repetindo a operação a cada barrica, com os vinhos das diferentes parcelas, vamos percebendo as caracteristicas de cada uma, a sua originalidade e personalidade. São momentos fantasticos!



Neste momento na boca os vinhos ainda tinham gaz disolvido. Ao longo das proximas semanas ira perdelo e assim a prova de boca sera mais franca.
No nariz, como disse foi emocionante, alguns momentos mesmo memoraveis. Lembro-me de sentir fruta brilhante, granito, ervas e matos pelo ar.

Estava um pouco com receio, pois 2014 foi um ano de vindima muito dificil por causa das chuvas de Setembro. Perdi então muitas uva, quase metade. Mas esta trasfega deu para verificar que o que se salvou é mesmo lindo. Ha obviamente vinhos melhores que outros. Esse conhecimento irei aprofunda-lo ao longo dos proximos meses.

Recomendo vivamente a todo o enofilo de um dia passar umas horas a fazer trasfegas. Tenho a certeza que irão adorar e que sairão dessa experiência enriquecidos.
Experimentem!

sábado, 21 de março de 2015

A palheira viaja ao Algarve

Começa ja amanhã! 
Domingo 22 e Segunda Feira 23 de Março, estarei com os meus vinhos entre as 15h e as 19h no showroom da distribuidora algarvia Wine Emotions, em Carvoeiro.

Sera a estreia no Algarve dos meus vinhos Dão Serra da Estrela!
Levo o tinto 2012 e o branco 2013.

Têm tudo para brilhar nas mesas algarvias...
...Mas para isso tambem é preciso dar a conhecer os vinhos.
La vou eu então para isso e com muito prazer!

Espero me encontrar com alguns de vocês por la!
Até ja!


sexta-feira, 20 de março de 2015

Artigo e video de Didu Russo (Brasil)

Partilho convosco o link de um artigo de Didu Russo, escritor sobre vinhos e especialista brasileiro em vinhos naturais.

http://www.didu.com.br/2015/03/simplesmente-vinho-2015-parte-3/

Artigo onde Didu Russo escreve sobre o Simplesmente Vinho 2015 e apresenta o meu projecto a gente do Brasil com o video da entrevista que me deu.

"Logo encontro o Antonio Madeira, um jovem que faz um vinho surpreendente, um bouquet de violetas engarrafado com toques herbáceos, um vinho suntuoso, elegante que acredito vai em dez anos ser um dos grandes vinhos de Porugal, se esse rapaz continuar com a convicção que está fazendo seu trabalho. anotem esse nome. Se algum importador procura algo especial tem aqui uma boa oportunidade...... Como é gratificante encontrar gente jovem como o Antonio, o Tiago e outros, a fazer coisas puras, bem feitas, maravilhosas e convictos de estarem resgatando sua cultura. Me emociona isso e me dá grande tranqüilidade pelo futuro longe da mesmice."Didu Russo

Foi muito bom poder conhecer gente como o Didu no Simplesmente Vinho 2015!
Um evento fantastico e que me diz muito!
Iniciativa do  João Roseiro e Mateus Nicolau de Almeida.
Gente de que gosto muito, gente boa!

domingo, 15 de março de 2015

A escava e a poda da vinha de Borrado das Moscas

O post de hoje serve para vos apresentar uma das novidades de 2015 e atravês dela ilustrar um pouco o trabalho que tem sido feito nos ultimos meses.

Como tinha dito em post anterior, a area de vinha que cultivo tem aumentado de ano para ano.

Este ano, segue a mesma logica, com mais vinhas a integrarem o portfolio, agora composto por uma dezena de parcelas, cultivadas, vinificadas e estagiadas separadamente.














No caso do post de hoje, a novidade é uma vinha exclusivamente de branco.
Uma vinha adulta mas ainda relativamente nova, com os seus 40 anos.

Encepamento composto unicamente da casta Bical.
Casta que localmente as pessoas chamam e sempre chamaram pelo nome de "Borrado das Moscas".

A par do Encruzado é a minha casta favorita para brancos do Dão.

Por varias razões, considero a Bical como o equivalente do que é a Jaen nos tintos da região.

Tambem encontro semelhanças com outra casta branca francesa, uma casta do Loire, a Chenin, pelo perfil aromatico e pela mesma sensibilidade a maturação.

Apanhada fresca em terroir adequado da vinhos magnificos.

Apanhada tardiamente, vai dar aromas a marmelos, perde a acidez e resulta em vinhos mornos, desinteressantes, "boring"...


E portanto uma casta capaz do melhor e do pior.
A atitude do vigneron torna-se ainda mais determinante para a qualidade do vinho obtido.



Fico contente por cultivar esta vinha, pois alem de me permitir aumentar a produção de branco, vejo a como uma oportunidade de ficar a conhecer melhor esta casta que tanto gosto de provar nas barricas dos meus amigos da Pellada.











Ja começamos a tratar da vinha, realizando os primeiros trabalhos do ano : a poda e a escava.


Para a escava utilizo um cavalo para dar dois regos, um de cada lado da linha, e acabamos o trabalho a enxada.

A escava consiste em fazer dois regos de cada lado da linha das videiras, para depois acabar de remover a terra com erva na linha xom uma enxada.

Desta maneira a linha das videiras fica mais baixa que o resto da terra.
A agua das chuvas invernais vai assim poder ser canalizado para a zona das raizes das videiras.


Ao mesmo tempo, ia-se podando as videiras.

Preparando-as assim para o novo ciclo vegetativo que ai vem.

As videiras estavam com a poda tradicional na região, a Guyot.

Assim continuara connosco.












Para ajudar a aguentar o frio invernal, não podia faltar um copito do divino nectar!


E que vinho não é so fazê-lo! E tambem para se beber!